quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Gays vítimas do comunismo

Publicado em DYNESLINES. Gays victims of communism. Escrito por: DYNES, Wayne R., Nova York, EUA. Publicado em: 16/06/2005. Disponível em: http://dyneslines.blogspot.com/2005/06/gay-victims-of-communism.html . Acesso em: 29/08/2009.
 
Gays vítimas do comunismo

Um amigo me perguntou por informações sobre gays e lésbicas que foram vítimas de perseguição em países comunistas. Ao contrário do caso nazista, no qual o destino de homens "com triângulo rosa" é bem conhecido, muitas informações sobre gays vítimas do comunismo ainda não foram levantadas.
Há também um desiquilíbrio. Nós sabemos uma boa quantidade sobre as bases teóricas da homofobia no marxismo e os regimes marxistas, mas relativamente pouco sobre a perseguição real de pessoas gays e lésbicas.
Hubert Kennedy escreveu um artigo precioso sobre a homofobia pessoal de Marx e Engels, mostrando como eles implantado insinuações deste tipo em um esforço para destruir um adversário político, Johann-Baptist von Schweitzer, que tinha sido aprisionado em um parque público alemão. ("Johann-Baptist von Schweitzer: The Queer Marx Loved to Hate," Journal of Homosexuality, 29:2.3, 1995, pp. 69-96,)

Outras coisas sendo iguais, essa tendência pode não ter importância, mais do que, digamos, a preferência de Marx para a arte clássica grega sobre arte medievais. Durante a década de 1920, no entanto, o movimento comunista mundial começou a adotar a retórica da decadência, incluindo a idéia de que o capitalismo agonizante promove a erversão. Inversamente, é uma característica da utopia excluir todos os tipos de coisas, de cabarés a vida de rua, que os pensadores utópicos consideram como indesejáveis. Apesar das alegações em contrário, o marxismo é uma utopia, quase ideologia religiosa. Alguns aspectos da vida contemporânea foram destinados para encontrar lugar no Paraíso.
Na minha opinião, seria preciso uma comissão internacional para documentar os crimes do comunismo contra os gays. No entanto, parece haver pouco apetite para isso.
Isto é parte de uma grande assimetria. Pelo que sei, nenhum dos criminosos stalinistas ainda vivo na Rússia foram levados à justiça. A maioria dos Gulags estão desaparecendo, ao contrário de Auschwitz, Buchenwald e outros locais que tenham sido corretamente mantida, pelo menos em parte, como um lembrete permanente da barbárie nazista. Ainda há tempo para entrevistar gays e lésbicas que foram vítimas reais do comunismo. Mas não por muito
tempo.
Deixe-me concentrar primeiro em um país que está perto: Cuba. Às vezes levanto questões sobre os centros de "reeducação" UMAP para gays nos anos 60 e 70, e o isolamento forçado de pessoas aidéticas nos anos 80. Meus interlocutores costumam responder "Ah, mas isso foi há muito tempo. As coisas estão bem agora." Eles não estão bem. Embora as medidas mais
ostensivas de repressão tenham cessado, a discriminação persiste. Ser gay não é compatível com ser um bom comunista.

Uma atmosfera de "esquecer o passado" prevalece, sem dúvida, refletindo a noção de que o comunismo deve ser julgado por seus ideais aparentemente nobres e não por sua prática sórdida. Dizem-nos que a homofobia em Cuba, reflete uma confluência de machismo latino-americano e (aparentemente incompreendido) puritanismo de esquerda. O princípio da culpa, ao que parece, deve ser colocado principalmente sobre os conquistadores espanhóis. Tal visão foi defendida por "El Fidel".
Outra razão pela qual as pessoas não querem discutir a perseguição no passado e a presente discriminação aplicada aos gays em Cuba é que esta questão não se coaduna com a narrativa esquerdista a qual alega que os problemas cubanos resultam totalmente do embargo americano. Nós supostamente deveríamos nos engajar nisso de maneira mais construtiva. No entanto, os canadenses e europeus descobriram que não funciona.
Juntamente com a Coréia do Norte, Cuba continua a ser um dos dois únicos remanescentes países comunistas ortodoxos. No entanto, alguns encolhem chamando-los apenas de comunista.
Sites da Internet sobre gays em Cuba estão obstruídos pela propaganda castrista oficial, alegando que está tudo bem, e por pequenos grupos pró-gays Castro, que servem a função bem conhecida de idiotas úteis. 
Felizmente ainda há um livro, por um esquerdista honesto, Allen Young, Gays Sob a Revolução Cubana (1981), se você pode encontrá-lo.
De forma mais genérica, eu acho que o problema de documentar a opressão de gays sob o comunismo precisa de ser dividida em cinco setores: 1) a antiga União Soviética, 2) os países do Pacto de Varsóvia Centro-Leste da Europa; 3) República Popular da China e 4) Vietnã e 5) Cuba.
No restante desta postagem só vou lidar com a primeira. O Código Penal Bolchevista de 1922 eliminou os "atos homossexuais entre adultos". No entanto, a questão tornou-se obscura no final da década de 1920, levando a recriminalizaçã o completa em 1934. Este padrão tem sido interpretada pelos gays trotskistas como indicando que estava tudo bem com Lenin, e que isso era uma "aberração" de Stalin, que causou a dificuldade. No entanto, Simon Karlinsky fez entrevistas com Lenin, nas quais ele indicava que todas as formas de liberdade sexual eram hostis ao marxismo. Em vários artigos Karlinsky fez um trabalho valioso oposicionando- se aos mitos esquerdistas, mas não estou certo de que ele tem  companhado os desenvolvimentos mais recentes.
No site GAY.RU você pode encontrar um bom texto de Igor Kon, um pesquisador sexólogo russo que veio aos EUA. O trabalho mais recente de Kon foi superficial, mas este parece melhor. O que eu não sei é a extensão de gays russos conseguiram aproveitar a oportunidade sob a breve janela de oportunidade dos arquivos abertos após 1991.
Um episódio bem documentado é a visita do grande escritor francês André Gide para a União Soviética em 1936. Foi como um companheiro de viagem e voltou profundamente abalado. Ele escreveu dois livros sobre a experiência, o primeiro discreto e o segundo mais franco sobre a miséria social e ausência de liberdade de expressão na URSS. Os comunistas e seus aliados voltaram-se violentamente contra ele. Alguns invocaram insinuações, falando de seus problemas com a "moral" e sua devoção a homens jovens. O filosofo comunista
André Wurmser foi mais longe, produzindo um artigo calunioso, intitulada "Um pobre Demônio: André Gide". Outro papel, então, sobre a homofobia entre os comunistas, era punir aqueles "saiam da linha" avisando suas inclinações [sexuais]. Algo semelhante aconteceu quando Alger Hiss, após sua exposição como um espião para os soviéticos, tentou desacreditar seu acusador Whitaker Chambers falando sobre sua homossexualidade - como se isto tivesse algo a ver com a questão da culpa Hiss ".
Cortesia: "Gays de direita"

Um comentário:

  1. No comunismo os pederastas-veados foram exterminados como Lixo Capitalista! Mais de Um Milhão veados foram mortos no comunismo! E no Brasil tem bichas comunistas falando de Hitler, idiotas úteis que não conhecem a ditadura comunista!

    ResponderExcluir